segunda-feira, 16 de março de 2015

Ser luz...

“Quem pratica a verdade aproxima-se da luz, para que as suas obras sejam manifestas, pois são feitas em Deus.” Jo 3, 21
Nestes dias conturbados, em que, quase todos os dias, há notícias terríveis de atentados provocados pelo Estado Islâmico, mais um marido mata a mulher e depois se suicida (“que pena não ter feito ao contrário!”, ouve-se no café), um banco a falir e a deixar pendurados centenas de clientes, os políticos e os altos cargos percebem que, mais cedo ou mais tarde, “tudo se descobre e vem a saber”, e os juros da dívida são os mais baixos de sempre (mas o fosso das desigualdades não cessa de aumentar) é bom ouvir que: “Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho Unigénito”. Porque acredito que é no seu amor que todo o sofrimento é abraçado, e a ressurreição de Cristo compromete-me a espalhar com a vida esse amor dado. Deus não ama o mundo ideal e perfeito, mas este, onde vivemos, imperfeito e cheio de contradições, em caminho, porque ama cada pessoa, real, capaz do melhor mas também do pior. E em cada pessoa pode brilhar a luz de Deus, mesmo que não acredite n’Ele!
 
 Acredito ainda que Deus gosta tanto de revelar o seu amor onde e em quem menos se espera. Não é preciso sermos "Super Cristãos", nem passarmos os dias na igreja ou a falar com padres. Se praticarmos a verdade não só nos aproximamos da luz, mas espalhamos luz à nossa volta! Já deste conta, certamente, que basta a luz do ecrã do telemóvel para iluminar todo um quarto escuro...